27 de mai de 2014

Just Like Rain

Perdoe o trocadilho, caro leitor, mas a bem da verdade, o domingo foi de muita chuva aqui em São Paulo. Não que isso tenha afastado 12 mil pessoas de ver uma das grandes bandas dos anos 80 em ação em um dos eventos mais charmosos do ano musical da capital paulista, o Cultura Inglesa Festival. Em sua quarta edição aberta ao público geral (não se deixe enganar pelo numeral ordinal 18 colocado antes do nome do evento), o CIF trouxe ao Memorial da América Latina os galeses dos Los Campesinos! e o Jesus and Mary Chain. (escolha aqui sua piada: a) Jesus voltou pra transformar vinho em água. b) marcha para Jesus). 

26 de mai de 2014

Cães de Guarda

Cidades conectadas, com sistemas inteligentes de trânsito e segurança que captam dados sobre os hábitos de cada cidadão, são uma forte tendência tecnológica. Assim como pode acontecer com qualquer sistema de computador, porém, elas estão sujeitas a invasões de hackers mal-intencionados, que podem provocar congestionamentos e caos nos chamados da polícia. É esse o mote de um dos principais lançamentos de games do ano: Watch Dogs. Criado pela Ubisoft, o jogo chega às lojas no Brasil amanhã, em versões para PC, PlayStation 3 e 4, Xbox 360 e One.

Situado em uma versão alternativa de Chicago, Watch Dogs (“cães de guarda”, em tradução literal) põe o jogador na pele do hacker Aiden Pearce, que utiliza suas habilidades para interferir no sistema de informações da cidade, podendo roubar dados pessoais, invadir contas bancárias e mudar a orientação do trânsito. “Queríamos fazer um jogo no qual a cidade fosse não só um cenário, mas sim parte viva do game. Usar cidades inteligentes e hackers pareceu fazer sentido para nós”, diz Thomas Geffroyd, diretor de conteúdo do game.

Segurança na rede. Estereótipos hackers na cultura pop. A fina arte de invadir semáforos e provocar congestionamentos com um dispositivo construído com menos de US$ 100. Esses e outros temas fazem parte da minha matéria sobre Watch Dogs, um dos games mais esperados da temporada. Além da matéria, que você pode ler no Link, tem uma entrevista enorme com o Thomas Geffroyd, um canadense gente boa (que elogiou minha camiseta do Queens of the Stone Age, risos) e um vídeo com excertos dessa entrevista, que você pode ver aqui embaixo. Ele mesmo avisa: "você nunca mais vai olhar para o seu smartphone do mesmo jeito depois de jogar Watch Dogs". 


23 de mai de 2014

O Pulso Ainda Pulsa

O pulso ainda pulsa - e em dose dupla. Fiz um exercício de escrita nesses últimos dias e botei uma cláusula internacional no meu currículo com a história de falar sobre o disco novo dos Titãs, Nheengatu, lançado há cerca de duas semanas através do YouTube. A primeira versão saiu em PT-BR, no Scream & Yell, com piadinhas e #vaitercopasim, e teve uma repercussão bem bacana (até agora, o texto teve 41 comentários). 

Na sequência, emendei uma versão PT-PT, com contextualizações e um cheirinho de alecrim, que saiu no Bodyspace.net, do André Gomes, para mostrar aos lusos porque este disco também pode ser relevante (como cá pode ser o dos Xutos & Pontapés, ou o do Linda Martini ou o dos Deolinda...). 

2014 acaba de ganhar um ingrediente para se tornar um ano ainda mais surrealista. Enquanto o País se divide entre o “não vai ter Copa” e o “vai ter Copa sim”, a polícia abusa de violência sem nem saber por onde e o estado mais rico da nação vive a ameaça de uma seca e as eleições prometem sujeira explícita, os Titãs voltam a fazer um disco que merece a sua audição, por mais improvável que isso possa soar. Depois de embalar a carreira no lixo com “Sacos Plásticos” (2009) e passar quase dois anos ganhando alguns tostões relembrando o clássico “Cabeça Dinossauro” (1986), o grupo resolve sair das cinzas artísticas e mostrar “Nheengatu”, um trabalho que não prima pela sua força poética, mas sim pela sua urgência e pela raiva.



Leia mais:
- 2011: A vida até parece uma festa: Titãs ao vivo em Santo André
- 2012: Que Não é o Que Não Pode Ser: Titãs toca Cabeça Dinossauro na Virada Cultural

21 de mai de 2014

Virada Cultural 2014

Seria humanamente impossível para um repórter só cobrir toda a Virada Cultural. Talvez, uma equipe de cinquenta jornalistas, de diferentes áreas, de música e cinema até cidades e esportes, conseguissem dar conta de um dos eventos mais importantes da capital paulista, que completou 10 anos em 2014. 

Mas, mesmo assim, eu e o mestre Marcelo Costa dividimos a tarefa de tentar assistir alguns shows e contar para vocês como foi, em um recorte especial, que envolveu planejamento, atrasos e um bocado de sorte em alguns aspectos. Lá no Scream & Yell, você pode ler sobre 10 shows da Virada (ou 9, né Arnesto?). Eu falei da volta do IRA!, Riachão, Autoramas (com Lafayette & B Negão), Demônios da Garoa, Pepeu Gomes e Falcão, enquanto o Mac cobriu Otto, Juçara Marçal, Rômulo Fróes e Rosanah. Chega mais. :)

Além disso, juntei algumas fotos (e vou incluir outras depois) que tirei dos shows em um álbum no Facebook. E você pode lembrar como foram as Viradas de 2013, 2012 e 2011 aqui no pergunte ao Pop. 






20 de mai de 2014

O Resto é Ruído #46 - Fábio Bridges



Outro papo massa pra caralho do O Resto é Ruído Podcast, regado a cerveja e cookies geniais. O convidado da vez é o Fábio Bridges, membro do Colégio Eleitoral do Pergunte ao Pop (confira a seção Especiais ali em cima para entender do que eu tô falando), dono do Pequenos Clássicos Perdidos. 

Na trilha, mandei ver com Sharon Van Etten e uma das músicas mais gracinhas de 2015: "Every Time The Sun Comes Up". Vem ouvir! Além disso, tem uma discussão bacanuda sobre o disco do Titãs, Nheengatu, e a sobrevivência (ou não) do rock como gênero musical popular no Brasil. 


14 de mai de 2014

Pop, Girls, Etc #06 - Dê


Alô, alô, alô! Tem alguém me ouvindo por aí? Essa é a Pop, Girls, Etc #06 - Dê, cheia de melodias fofas, riffs espertos e músicas que valem por um abraço. A seleção se abre com duas canções pop de alto nível, mas de união e sequência totalmente improvável: porque juntar Nirvana e boy-bands PODE SIM. 

Outro destaque pessoal da seleção é "Every Time The Sun Comes Up", canção recém-saída do forno da gracinha Sharon Van Etten, um misto de fifties-maravilha com Bruce Springsteen que é o single do próximo disco da cantora, que sai no fim do mês. E tem a Hotel Avenida, banda dos mestres Giancarlo Rufatto e Ivan Santos, fazendo uma cover de João Luiz Woerdenbag, quando este ainda fazia mais canções e menos panfletarismo político: "Meu Abismo, Meu Abrigo". 

Dê amor. 

Pop, Girls, Etc #06 - Dê

Nirvana - "Drain You"
One Direction - "Little Black Dress"
Blur - "You're So Great"
Cérebro Eletrônico - "Dê"
CSN&Y - "Our House"
Jesus & Mary Chain  - "My Girl"
Sharon Van Etten - "Every Time The Sun Comes Up"
Little Joy - "Keep Me in Mind"
Hotel Avenida - "Meu Abismo, Meu Abrigo"
Erasmo Carlos & Marisa Gata Mansa - "Masculino, Feminino"

Para ouvir agora:
No Mixcloud:


Para baixar:
No Mediafire

Ouça as outras mixtapes Pop, Girls, Etc.
#01 - Tigres de Papel
#02 - Pelicano
#03 - Be Má Beibe
#04 - Tó-Zé
#05 - Häagen Dazs

PS: A capa desta mixtape é uma foto que eu tirei no alto da Torre Eiffel, em junho passado. Se eu fosse a Pixar, usaria ela como ponto de partida para uma animação sobre borboletas. Enfim... 

13 de mai de 2014

Cinco Fotos: Porto

Segunda maior cidade de Portugal, e um centro urbano à parte de Lisboa, o Porto é um lugar que mora no meu coração. Passei uma semana por lá no ano passado, entre a cobertura do Optimus Primavera Sound para o Scream & Yell e o puro turismo, com visitas à Fundação Serralves, à praia de Matosinhos e uma meia dúzia de rolês no Cais da Ribeira, na Avenida dos Aliados e em Vila Nova de Gaia. Uma cidade um tanto mais tranquila e amistosa que a capital portuguesa, o Porto é ainda a casa do melhor time lusitano, o FC Porto (e cá fala um filho do dragão) e dono de um dos pratos mais grotescamente ogros e maravilhosos que este escritor já teve notícia, a francesinha. 

Respire fundo: pão, depois salsicha, linguiça, um bife inteiro, presunto, outro pão, queijo derretido e um ovo frito por cima, coberto por molho à base de tomate e cerveja, acompanhada de batatas fritas. Fiquei uns dois dias sem comer direito depois de traçar uma dessas... mas o estômago sorri até hoje. Há quem diga que o nome francesinha venha da época de Napoleão, enquanto outros afirmam que é porque o prato é uma versão turbinada do croque monsieur. Seja como for... bom apetite. E boas fotos ;)

Jornada nas Estrelas

12 de mai de 2014

O Resto é Ruído #45 - José Norberto Flesch

O novo programa do Resto é Ruído (já com o João Vitor na formação, ocupando a sétima cadeira) traz um convidado muito especial: José Norberto Flesch — se você tem Twitter e gosta de ir a shows, você já deve saber quem ele é, mas vamos lá. Editor de Diversão e Arte do jornal Destak, distribuído nas ruas de São Paulo gratuitamente, Flesch é um dos caras que melhor cobre o cenário de shows no País, antecipando a vinda de bandas e sendo um verdadeiro termômetro do mercado de turnês internacionais e festivais por aqui. Dessa vez, falamos de... shows, e também de crítica e de produção e de outras milongas mais. No BG, o novo disco do Echo and the Bunnymen, Meteorites, e eu aproveitei para mostrar a nova música do Lestics, "Desvario", que encabeça o próximo trabalhos dos rapazes. Chega mais pra ouvir!


8 de mai de 2014

Melhor Hambúrguer da Cidade: Z-Deli Sanduíches

Uma coisa que muita gente sempre me pergunta quando eu falo sobre hambúrgueres por aí é: "mas e os hambúrgueres gourmet?". Como lidar quando querem enfiar cogumelos, queijos especiais, shitake, foie gras e outros mil quetais no meio de uma coisa tão simples quanto a combinação entre carne moída e amassada, pão e queijo? A princípio — e para um amante da chapa suja como eu —, o conceito gourmet é totalmente descabido em uma comida que nasceu na rua e para sempre vai carregar consigo esse sabor (assim como o "samba é negro demais no coração", já dizia o mestre Vinicius de Moraes). Entretanto, não vale a pena radicalizar. Não antes da primeira mordida, pelo menos. Ainda mais quando se fala de uma grande (o adjetivo vem antes da análise, mas será justificado) casa como o Z-Deli Sanduíches, filial de uma casa de comida judaica que roubou os holofotes de sua matriz. 

7 de mai de 2014

Estado de Prata


Se você é ligado em música boa e mora em São Paulo (ou cercanias), você precisa prestar atenção no Prata da Casa, projeto do SESC Pompeia que já dura 15 anos e teve nova fase iniciada nessa primeira terça-feira de maio. Em 2014, o programa terá curadoria do parceiro Marcelo Costa, editor do Scream & Yell, e a largada foi dada com uma bela apresentação do cantor Bruno Souto, com participação do guitarrista Nevilton (da... Nevilton, olha só).

Souto é vocalista da Volver há mais de uma década, mas se destacou no ano passado com seu disco solo, "Estado de Nuvem". Particularmente, eu não havia gostado do trabalho, muito decalcado das canções setentistas de Roberto Carlos (especialmente em seus momentos mais despudorados) e outros cantautores com gostinho de rádio AM. Entretanto, ao vivo tudo funcionou de maneira diferente.

6 de mai de 2014

Pop, Girls, Etc #05 - Häagen Dazs

Manter firme e ativa semanalmente a Pop, Girls, Etc não é uma tarefa das mais fáceis, mas tem sido uma ótima distração nesses últimos tempos — especialmente para lembrar de bandas incríveis e que deixaram saudade, como é o caso da Lasciva Lula, que empresta o nome de uma de suas melhores canções para a mixtape, "Häagen Dazs". 

(Por falar na Lasciva, seu guitarrista, guga_bruno, lançou recentemente seu segundo disco solo, Ínterim: baixe!). 

Além da Lasciva, dois lados-B graciosos de Gilberto Gil e Rolling Stones, um petardo do Cake (que me foi indicado pelo Nevilton em uma entrevista tempos atrás, "olha o baixão!") e antigas de Wado, Tom Bloch e Lestics. Chega mais e se lambuza, moça bonita. 

Pop, Girls, Etc. #05 - Häagen Dazs

Tom Bloch - "Pela Ciência"
Cake - "Satan is My Motor"
Lasciva Lula - "Häagen Dazs"
Guided by Voices - "Peep Hole"
Ruspo - "Santos"
Gilberto Gil - "Luzia Luluza"
The Rolling Stones - "Back Street Girl"
Roddy Woomble - "My Secret is My Silence"
Lestics - "Tudo é Memória"
Wado - "Vai Querer?"

Para ouvir agora:
No Mixcloud


Para baixar:
No Mediafire

Ouça as outras mixtapes Pop, Girls, Etc.
#01 - Tigres de Papel
#02 - Pelicano
#03 - Be Má Beibe
#04 - Tó-Zé

PS: A foto desta capa foi tirada em Lisboa, em uma praça da Baixa-Chiado. Até onde eu lembro, era a gravação de um comercial de sorvete. Bobagens, meu bem, bobagens. 

5 de mai de 2014

Candy Crush é a Mãe!


Pode ser no metrô, no ônibus, na fila do banco ou na sala de espera do dentista: não é de hoje que as pessoas aproveitam seu tempo livre para concluir partidas de jogos simples como Candy Crush e Angry Birds. Imagine agora se, no lugar de apenas diversão, as milhões de horas gastas nesses aplicativos fossem utilizadas em games que pudessem ensinar literatura, transmitir conhecimentos sobre saúde ou até mesmo ajudar em uma pesquisa científica.

Essa é a ideia por trás da gamificação, área de tecnologia que cresce cada vez mais. Uma pesquisa recente da M2 Intelligence divulgou que a gamificação movimentou US$ 450 milhões em 2013, e deve chegar aos US$ 5,5 bilhões em 2018.

“Gamificação é usar elementos da estrutura de jogos para algo que não seja entretenimento puro, usando-os para incentivar comportamentos e resultados práticos”, diz Ysmar Vianna, autor do primeiro livro escrito em português sobre o assunto, Gamification, Inc., disponível para download na internet.

Assino hoje a matéria de abertura do Link, falando sobre um assunto que quer utilizar o conhecimento humano em salvar princesas e coletar moedinhas em coisas mais úteis que isso, e está presente já em apps legais como o Waze e o Duolingo. Bora lá? 

4 de mai de 2014

Cinco Fotos: Coimbra

"Coimbra é uma lição", diria o fado que leva o nome de uma das mais antigas e conhecidas cidades de Portugal. Marcada pelo rio Mondego, pela presença da Universidade e por uma meia dúzia de lendas e histórias incríveis, Coimbra é definitivamente um ponto a ser visitado caso você vá para a terrinha. Primeiro, graças à Universidade e suas instalações incríveis (não se pode tirar fotos de dentro da Biblioteca Joanina, um caso sério de boquiabertismo). Segundo, pela Queima das Fitas, um misto de festival de rock e festa universitária que acontece todo mês de maio e reúne grandes bandas portuguesas, farra, cerveja e placas como "Ninguém cozinha porquinha como a Tachadinha". Terceiro, por Conimbriga, um sítio arqueológico da época da colonização romana em Portugal. Quarto, por suas vielas estreitas e construções antigas, e quinto pelas margens do Mondego — mais um exemplo de "como utilizar um rio na sua cidade".

Fui pra lá duas vezes: a primeira na volta da viagem para a terra do meu vô, a segunda apenas para a Queima das Fitas, e nas duas adorei a cidade, que tem uma parte considerável da sua população constituída por brasileiros. Dá para chegar em Coimbra via trem (Comboios de Portugal) ou ônibus (Rede Expressos) a partir de Lisboa e do Porto, e a passagem custa em torno de 17 euros. "Só passa quem souber, e aprende-se a dizer saudade". 

Pedrinho